Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bom feriado!

30.04.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

E a sobremesa não vai ser pêra doce!

30.04.14

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fashion fade, Style should be eternal

30.04.14

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sem falar, quando for hora de calar.

30.04.14

 

 

 

 

 

Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos. Nem tão longe e nem tão perto. Na medida mais precisa que eu puder. Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida Da maneira mais discreta que eu souber. Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar. Sem forçar a tua vontade. Sem falar, quando for hora de calar. E sem calar, quando for hora de falar. Nem ausente, nem presente por demais. Simplesmente, calmamente, ser-te paz. É bonito ser amigo, mas confesso, é tão difícil aprender! E por isso eu te suplico paciência. Vou encher este teu rosto de lembranças Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E ir conjugar o verbo no infinito

30.04.14

 

 

Ser criado, gerar-se, transformar
O amor em carne e a carne em amor; nascer
Respirar, e chorar, e adormecer
E se nutrir para poder chorar

Para poder nutrir-se; e despertar
Um dia à luz e ver, ao mundo e ouvir
E começar a amar e então sorrir
E então sorrir para poder chorar.

E crescer, e saber, e ser, e haver
E perder, e sofrer, e ter horror
De ser e amar, e se sentir maldito

E esquecer de tudo ao vir um novo amor
E viver esse amor até morrer
E ir conjugar o verbo no infinito...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bom dia!

30.04.14

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

The search is over

29.04.14

 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Happy Hour!

29.04.14

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Mesdames et messieurs votre attention s'il vous plaît

29.04.14

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E um aceno doce de melancolia a fazer-nos sinais por sobre tudo.

29.04.14

 

 

 

Há vária gente que não gosta de evocar o passado. Uns por energia, disciplina prática e arremesso. Outros por ideologia progressista, visto que todo o passado é reaccionário. Outros por superficialidade ou secura de pau. Outros por falta de tempo, que todo ele é preciso para acudir ao presente e o que sobra, ao futuro. Como eu tenho pena deles todos. Porque o passado é a ternura e a legenda, o absoluto e a música, a irrealidade sem nada a acotovelar-nos. E um aceno doce de melancolia a fazer-nos sinais por sobre tudo. Tanta hora tenho gasto na simples evocação. Todo o presente espera pelo passado para nos comover. Há a filtragem do tempo para purificar esse presente até à fluidez impossível, à sublimação do encantamento, à incorruptível verdade que nele se oculta e é a sua única razão de ser. O presente é cheio de urgências mas ele que espere. Ha tanto que ser feliz na impossibilidade de ser feliz. Sobretudo quando ao futuro já se lhe toca com a mão. Há tanto que ter vida ainda, quando já se a não tem... 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/13



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Visitas


Pesquisar

Pesquisar no Blog