Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Não esqueci a intimidade do frio nem a dor branca que habita o coração dos muros.

por Maria Rita, em 21.02.20

 

És linda. E nem sabes quantos pedaços de beleza tive de juntar para chegar a esta conclusão. Para te construir, tive de misturar a conspiração das searas com a tristeza do choupo, a inquietação da cotovia com o cheiro lavado do vento do ocidente. E a firmeza repartida dos livros, com a alegria explosiva dos miosótis e a luz escura das violetas. Juntei depois um pouco de ansiedade das estrelas, a paciência das casas à beira da falésia, a espuma da terra, o respirar do sul, as perguntas de gesso que se fazem à lua. Acrescentei-lhe a canção das margens e pequenos pedaços da angústia do olhar. Não esqueci a intimidade do frio nem a dor branca que habita o coração dos muros. Por fim, deitei na tua pele o sono dos alperces, aos teus músculos “prometi a violência das cascatas, no teu sexo acordei a memória do universo.  A tua beleza está no meu desejo, nos meus olhos, na minha desigual maneira de te amar. És linda, repito. Mas tenta não encarar o que te digo como um elogio. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:56

Bom dia!

por Maria Rita, em 21.02.20

 

happy-1194446_960_720.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 11:50

No bairro do amor o tempo morre devagar!

por Maria Rita, em 18.02.20

 

renatodpaula_ensaio-avos-1.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:19

Estou diagnosticado.

por Maria Rita, em 18.02.20

 

 

 

Pela primeira vez nesta viagem sinto-me frágil e emocionalmente irrequieto, sinto-me desanimado. Não é cansaço nem desgaste, é desejo a mais. É a ânsia pela eventualidade de não estar a aproveitar ao máximo as possibilidades que a estrada e a vida me põem pela frente. Há demasiada beleza, história, arqueologia, demasiada vitalidade, música, livros, paisagens, gente, há demasiado, nesta América Latina, para uma existência tão curta e uma viagem tão apressada. Atacam-me os mesmos distúrbios que Stendhal descreveu e sofreu na sua viagem a Florença, as mesmas vertigens, a mesma taquicardia, os mesmos nervos. Enfim, tanto para ver em tão pouco tempo. A medicina do turismo chama a esta patologia ‘síndroma de Stendhal’. Estou diagnosticado.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Bom dia!

por Maria Rita, em 18.02.20

 

fgdfgedrg.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 07:56

Songbird

por Maria Rita, em 14.02.20

 

  

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35

Quando o telefone toca!

por Maria Rita, em 14.02.20

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:02

Tens tempo para um estranho?

por Maria Rita, em 14.02.20

 

 

 

Todos os dias saio para a decisão de um amor sem protagonista. Encosto-me às paragens de autocarro e aceno subitamente a alguém que passa. Por vezes retribuem-me o gesto e ficamos ambos sem saber se por graça, se por um escuro reduto de uma franqueza cada vez mais rara. Tens tempo para um estranho? A que horas me poderias dizer o teu nome? Conheço uma igreja que ardeu, conheço outra que é muito muito pequena. Escuta, no meio desse teu deserto, ao passar a caravana do luxo, será que és capaz de suplicar: água?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:01

Bom dia!

por Maria Rita, em 14.02.20

 

play-stone-1744790_960_720.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:59

E é do NÃO ao que te limita e degrada que tu hás-de construir o SIM da tua dignidade.

por Maria Rita, em 13.02.20

 

 

Diz NÃO à liberdade que te oferecem, se ela é só a liberdade dos que ta querem oferecer. Porque a liberdade que é tua não passa pelo decreto arbitrário dos outros. 

Diz NÃO à ordem das ruas, se ela é só a ordem do terror. Porque ela tem de nascer de ti, da paz da tua consciência, e não há ordem mais perfeita do que a ordem dos cemitérios. 

Diz NÃO à cultura com que queiram promover-te, se a cultura for apenas um prolongamento da polícia. Porque a cultura não tem que ver com a ordem policial mas com a inteira liberdade de ti, não é um modo de se descer mas de se subir, não é um luxo de «elitismo», mas um modo de seres humano em toda a tua plenitude. 

Diz NÃO até ao pão com que pretendem alimentar-te, se tiveres de pagá-lo com a renúncia de ti mesmo. Porque não há uma só forma de to negarem negando-to, mas infligindo-te como preço a tua humilhação. 

Diz NÃO à justiça com que queiram redimir-te, se ela é apenas um modo de se redimir o redentor. Porque ela não passa nunca por um código, antes de passar pela certeza do que tu sabes ser justo. 

Diz NÃO à verdade que te pregam, se ela é a mentira com que te ilude o pregador. Porque a verdade tem a face do Sol e não há noite nenhuma que prevaleça enfim contra ela. 

Diz NÃO à unidade que te impõem, se ela é apenas essa imposição. Porque a unidade é apenas a necessidade irreprimível de nos reconhecermos irmãos. 

Diz NÃO a todo o partido que te queiram pregar, se ele é apenas a promoção de uma ordem de rebanho. Porque sermos todos irmãos não é ordenanmo-nos em gado sob o comando de um pastor. 

Diz NÃO ao ódio e à violência com que te queiram legitimar uma luta fratricida. Porque a justiça há-de nascer de uma consciência iluminada para a verdade e o amor, e o que se semeia no ódio é ódio até ao fim e só dá frutos de sangue. 

Diz NÃO mesmo à igualdade, se ela é apenas um modo de te nivelarem pelo mais baixo e não pelo mais alto que existe também em ti. Porque ser igual na miséria e em toda a espécie de degradação não é ser promovido a homem mas despromovido a animal. 

E é do NÃO ao que te limita e degrada que tu hás-de construir o SIM da tua dignidade. 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:14


Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D


Visitas


Pesquisar

Pesquisar no Blog