Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Podíamos

23.05.14

 

 

Podíamos saber um pouco mais

da morte. Mas não seria isso que nos faria

ter vontade de morrer mais

depressa.

 

 

Podíamos saber um pouco mais

da vida. Talvez não precisássemos de viver

tanto, quando só o que é preciso é saber

que temos de viver.

  

 

Podíamos saber um pouco mais

do amor. Mas não seria isso que nos faria deixar

de amar ao saber exactamente o que é o amor, ou

amar mais ainda ao descobrir que, mesmo assim, nada

sabemos do amor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ah...o Amor

14.05.14

 

 

 

 

Amor beligerante, ódio amoroso, tudo e qualquer coisa, nascidos do nada! Uma pesada leveza, uma grave vaidade, um caos deformado de formas aparentemente tão bonitas! Pluma de chumbo, fumaça brilhante, fogo gelado, saúde doentia! Um dormir sempre insone, que não é nada daquilo que é! - Esse amor sinto eu, que não sinto nenhum amor em retorno.

(…)

Amor é uma fumaça que se eleva com o vapor dos suspiros; frustrado, é oceano nutrido das lágrimas desses amantes. O que mais é o amor? A mais discreta das loucuras, fel que sufoca, doçura que preserva.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não há metade do coração.

12.02.14

 

 

 

 

 Ou todo o amor ou toda a indiferença. Quando não, é uma insustentável impostura, chamada estima.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

All They Need is Love!

31.01.14

 

 

e de uma Mãe e um Pai, de 2 Pais ou de 2 Mães...

e se tiverem irmãos...tanto melhor!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E o amor não se quer rançoso.

29.01.14

 

 

O amor bem que podia ser vendido no mercado da ribeira. Pela manhã, no meio de frutas e legumes, alguém gritaria por entre os cestos " olha o amor fresquinho! E embevecidos por isto, os fregueses abeiravam-se da banca e iam pedindo o que lhes faltava. Era um quilo de amor, se faz favor. Queria duzentos gramas para levar para a minha filha se não se importa! Olhe se for fresco - é fresquinho não é? - levo já umas duas doses. E todos sairiam do mercado cheios de amor, entranhado na pele, na roupa, nos lençóis da cama. O amor quer-se fresco, tal qual o peixe na lota. O amor tem de saber a mar, a terra húmida depois da chuva, a leite do dia à porta de casa. O amor tem de ser também do dia porque, se assim não fôr, acontece-lhe o mesmo que à manteiga quando está há muito tempo no frigorífico: fica rançosa. E o amor não se quer rançoso - não quer não - e por isso quem ama ou já amou ou ainda virá a amar mas ainda não sabe disso, facilmente saberá que mesmo nos dias de maior calor, o amor - tal como o fogo - não pode nunca ser congelado. Quando muito pode extinguir-se, apagar-se com umas mangueiradas de água, agora congelar para servir mais logo, não creiam nisso. O amor quer-se de vez e quando se dá, vai por ali a eito, lavrando encostas, galgando montes, galopando por entre os cabelos. O amor é um incêndio que os bombeiros não conseguem controlar. E quando o chefe da corporação diz que ele não está circunscrito, para mim é sobre o amor que fala em forma de fogo. O amor é um incêndio sim, incontrolável sim, se verdadeiro, nunca será circunscrito.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bom dia!

27.01.14

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O prometido é de vidro

09.01.14

 

 

 

e quebra-se facilmente!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bom dia!

20.12.13

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Made to Love

13.12.13

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O primeiro amor ocupa o amor todo.

12.12.13

 

 

É fácil saber se um amor é o primeiro amor ou não. Se admite que possa ser o primeiro, é porque não é, o primeiro amor só pode parecer o último amor. É o único amor, o máximo amor, o irrepetível e incrível e antes morrer que ter outro amor. Não há outro amor. O primeiro amor ocupa o amor todo.  Nunca se percebe bem por que razão começa. Mas começa. E acaba sempre mal «só porque acaba». Todos os dias parece estar mesmo a começar porque as coisas vão bem, e o coração anda alto. E todos os dias parece que vai acabar porque as coisas vão mal e o coração anda em baixo.  O primeiro amor dá demasiadas alegrias, mais do que a alma foi concebida para suportar. É por isso que a alegria dói — porque parece que vai acabar de repente. E o primero amor dói sempre de mais, sempre muito mais do que aguenta e encaixa o peito humano, porque a todo o momento se sente que acabou de acabar de repente. O primeiro amor não deixa de parte «um único bocadinho de nós». Nenhuma inteligência ou atenção se consegue guardar para observá-lo. Fica tudo ocupado. O primeiro amor ocupa tudo. E inobservável. E difícil sequer reflectir sobre ele. O primeiro amor leva tudo e não deixa nada.  Diz-se que não há amor como o primeiro e é verdade. Há amores maiores, amores melhores, amores mais bem pensados e apaixonadamente vividos. Há amores mais duradouros. Quase todos. Mas não há amor como o primeiro. É o único que estraga o coração e que o deixa estragado.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D


Visitas


Pesquisar

Pesquisar no Blog